OS FILMES DE 2014 – 1º SEMESTRE

Foram 161 filmes e 9 temporadas de séries vistos no primeiro semestre deste ano. Abaixo, você encontra alguns dos meus melhores momentos cinematográficos entre 1º de janeiro e 30 de junho de 2014.

cinema_paradiso

amadeus

Brute Force

13-assassins-image-01

andromeda

beleza_adormecida

bonfire_vanities

Solar-Maldito

casino

chichi-ariki-(1942)-large-picture

cinderella

cidade_que_surge

bling-ring

black-sabbath-poster-1

depois_terra

blow_up

desaparecido

edipo rei

DressedtoKill

american_tail

croupier.jpg

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

ice_harvest

MSDBURB EC012

Fan

gentleman_prefer_blonds_1953

imitation_life

Cat People (1942)_02

frankenstein must be destroyed

flesh-blood

DEATH_BECOMES_HER

Hellraiser Inferno 17

cyborg

It! the terror.. (6)

into_the_night_6

forbidden-planet_03

howling

lone_wolf_cub

indiana_jones_temple_doom

mad-max

mad_max_2

filho_unico

Luci del varietà (1950)

JULIA (1977) - FONDA, JANE - SCHELL, MAXIMILIAN

deep-red

la_luna

hunter3

"The Hatfields and the McCoys"

killing-them-softly-1a

 Stagecoach (1939)_21

salonkitty5

on-the-road-Stewilicious

paraisos-artificiais

splice

The-Woman-in-Black-Doll

four_feathers

gion_no_shimai_2

janela_para_amor

kingkong_1933

king_kong_2005

godzilla-2014

i-wanna-hold-your-hand-movie-poster-1020248631

mad-monster-party-1967b

Ninotchka

piaf

sin_nombre

la-piel-que-habito

Love_in_the_afternoon_(1957)_-_movie_poster

rabbi_jacob

S.O.B. (1981)  Directed by Blake Edwards Shown: William Holden, Larry Hagman

thekidstayspic

weird_science

world-s-fastest-indian-2

amazing_spider_man

Captain_America_the_Winter_Soldier_42391

X-men-2-2003-152-g

X-Men-First-Class

xmen-days-of-future-past-vif-argent-magneto-scotch-580x433

What Price Glory (1952)_01

u-571

tinker_tailor_soldier_spy_015

you-only-live-once

snow-white-and-the-seven-dwarfs-1937-the-dark-wood-1

thinman-767227

Audrey Hepburn, The Unforgiven (1960, John Huston) starring Burt LancasterPale-Rider-1-LR

tom_horn

sua_ultima_facanha

SHE_WORE_A_YELLOW_RIBBON_27x41_horiz

salaire-de-la-peur-1953-01-g1

sorcerer

som_montanha

the-gate-poster

The_Fox_and_the_Hound

robin-hood

robin_hood_ridley

une-execution-ordinaire-2010-19138-844366951

themaster

the-woman-in-the-fifth-pic01

isle_of_the_dead

they-live-billboard

the-leopard-5

Tabu-1

theloyal47ronin002xamb

StrangeLoveofMarthaIversThe_02

perigo_noiteteacher_pet

the book thief

luz_para_todos

sword_stone

The_Big_CountryarrowBoardwalk-Empire-1x02

downton1

ripperstreet1sfringe-2x23

whitechapel

game-of-thrones-original-2

4 Comments

LOUCURA AMERICANA

americanMadnessDurante a depressão do início dos anos 30, banqueiro (o ótimo Walter Huston, pai do cineasta John Huston) acredita que a melhor forma de derrotar a crise é emprestando dinheiro aos montes para a população.

Com LOUCURA AMERICANA, Frank Capra já dava sinais para qual lado sua carreira caminharia nas décadas seguintes, adotando um tom populista e moralista, mas também humano, nesse comentário otimista sobre a sociedade capitalista americana.

O conceito é o mesmo de A FELICIDADE NÃO SE COMPRA, A MULHER FAZ O HOMEM e tantos outros marcos da obra do cineasta: que diferença um homem pode fazer para tornar melhor a comunidade onde vive, e o quanto essa comunidade pode ser grata a este indivíduo. Os mais cínicos podem até torcer o nariz para esse otimismo, mas o talento de Capra para desenvolvê-lo é inegável. O filme é ágil e envolvente, fazendo bom uso de algumas opções narrativas incomuns na época, como diálogos sobrepostos e uma montagem enxuta.

Ótima cópia restaurada, com comentários em áudio de Frank Capra Jr. e Catherine Kellison (teórica da New York University), além de um especial de 25 minutos onde o filho do cineasta recorda a produção do longa (ambos sem legendas), lembrando que o personagem principal foi realmente inspirado em um banqueiro da época.

LOUCURA AMERICANA
American Madness, EUA, 1932
IDIOMA: Inglês 1.0, Francês 1.0
LEGENDAS: Português, Inglês, Francês, Japonês e Coreano
FORMATO DE TELA: Full Frame 1.33:1
Drama – 1h16 – P&B – Sony
Direção: Frank Capra
Com Walter Huston, Pat O’Brien, Kay Johnson, Gavin Gordon, Constance Cummings

2 Comments

A PRAGA

clivebarkerstheplague_marquee_980_350Todas as crianças do mundo entram em coma ao mesmo tempo. Dez anos depois, voltam à vida com comportamento homicida. A PRAGA (CLIVE BARKER’S THE PLAGUE, EUA, 2006) é um suspense sobrenatural feito direto para o mercado de vídeo e que traz a marca do escritor Clive Barker. Aqui Barker funciona como produtor apenas, mas a trama, que mistura elementos de filmes de zumbis com A ALDEIA DOS AMALDIÇOADOS, traz certa profundidade e ambição que costumam marcar seu trabalho.

O problema é que, como grande parte das produções diretas para vídeo, esta sofre com o baixo orçamento, que prejudica a ambientação e explica o elenco de segunda. O astro da série DAWSON’S CREEK, James Van Der Beek, por exemplo, cresceu e tem boa presença, mas está completamente inexpressivo, mesmo em cenas em que seu personagem deveria externar alguma emoção, como quando descobre o corpo de seu irmão, assassinado pelo próprio filho. O resto do elenco, incluindo aí a veterana Dee Wallace (E.T., GRITO DE HORROR), também não está muito melhor. É uma pena, porque a idéia inicial é interessante e o filme traça alguns paralelos com essa época de medo, paranóia e violência, e pressupõe o que tudo isso pode fazer com a cabeça das crianças de hoje em dia.

Extras incluem oito cenas excluídas (legendadas) e comentários em áudio (sem legendas) dos atores Brad Hunt e Joshua Close e do montador Ed Marx, que justificam a ausência de Van Der Beek por este estar ocupado com compromissos relacionados à série DAWSON’S CREEK.

A PRAGA
Clive Barker’s The Plague, EUA, 2006
IDIOMA: Inglês 5.1, Português 5.1, Tailandês 5.1
LEGENDAS: Português, Inglês, Espanhol, Japonês, Chinês, Coreano e Tailandês
FORMATO DE TELA: Widescreen Anamórfico 2.35:1
Horror – 1h28 – Cor – Sony
Direção: Hal Masonberg
Com James Van Der Beek, Ivana Milicevic, Brad Hunt, Joshua Close, Dee Wallace

Leave a comment

A NOIVA SÍRIA

noiva_siriaNa comunidade drusa de Golan, na fronteira entre Israel e Síria, uma noiva (Clara Khoury) e sua família enfrentam a burocracia para que esta possa se casar com um primo distante, residente da Síria.

Logo no início de A NOIVA SÍRIA, do diretor Eran Riklis, um letreiro explicativo situa o espectador ocidental na delicada situação pela qual passa a cidade de Golan: apesar de oficialmente não dever fidelidade a nenhum dos dois países, está ocupada desde 1967 por Israel, o que gera uma animosidade entre os simpatizantes da Síria.

Entre eles está o pai da noiva, Hammed (Makram Khoury, pai de Clara também na vida real). O fato de ter sido preso por lutar pela libertação de Golan do governo de Israel o torna pouco simpático perante as autoridades locais, e o impede de comparecer à despedida da filha, prometida a um noivo que nunca chegou a conhecer, um astro de telenovelas sírio.

Toda a situação é por demais surreal: uma vez atravessando a fronteira para a Síria, a noiva Mona nunca mais poderá voltar para casa ou rever seus parentes. E tudo fica mais absurdo ainda quando um trâmite legal impede que a travessia se complete, quando todos já estão na fronteira entre os dois países.

As várias tramas paralelas, incluindo a da irmã da noiva (a ótima Hiam Abbass, de FREE ZONE e MUNIQUE) que é infeliz no casamento, deixam tudo com cara de novela, o que pode até ser proposital considerando que um dos personagens trabalha em uma. Mas A NOIVA SÍRIA funciona bem para retratar o absurdo que reina na região.

Vencedor do Prêmio do Público em Locarno e de quatro prêmios no Festival de Montreal.

Inclui trailers de outros filmes e versão MP4.

A NOIVA SÍRIA
Ha-Kala Ha-Surit, Israel/França/Alemanha, 2004
IDIOMA: Árabe 2.0, Português 2.0
LEGENDAS: Português, Inglês
FORMATO DE TELA: Widescreen Anamórfico 1.78:1
Drama – 1h36 – Cor – Europa
Direção: Eran Riklis
Com Hiam Abbass, Makram Khoury, Clara Khoury, Ashraf Barhom, Eyad Sheety

Leave a comment

DOIS É BOM, TRÊS É DEMAIS

Owen Wilson (também produtor), que faz aqui o boa vida Dupree do título original, que enlouquece a vida de amigos recém-casados, é um comediante que construiu sua carreira com tipos como este: gente fina, descolados, despreocupados, quase sempre desempregados. Foi assim em BATER OU CORRER, PENETRAS BOM DE BICO e inúmeros outros.

Dessa forma, o Dupree de DOIS É BOM, TRÊS É DEMAIS (YOU, ME AND DUPREE, EUA, 2006) é uma súmula de todos seus papéis anteriores. Mas não compensa a falta de carisma e talento do moço para o humor. Quem segura a onda são seus co-astros, Matt Dillon (aqui em raro papel de galã) e a gracinha Kate Hudson. Nem Michael Douglas, relegado a ponta de luxo, tem o que fazer com roteiro tão derivativo, uma idéia que tem sua origem lá em BOUDU SALVO DAS ÁGUAS (1932) de Jean Renoir, que ganhou uma releitura muito mais interessante que esta com UM VAGABUNDO NA ALTA RODA, a comédia que Paul Mazursky rodou em 1986 com Nick Nolte e Bette Midler.

Esta estréia na direção dos Irmãos Russo (que vieram da TV e que fariam CAPITÃO AMÉRICA – O SOLDADO INVERNAL) só vai interessar aqueles que têm um amigo mala como Dupree.

Sem extras.

DOIS É BOM, TRÊS É DEMAIS
You, Me and Dupree, EUA, 2006
IDIOMA: Inglês 5.1, Português 5.1, Espanhol 5.1
LEGENDAS: Português, Inglês, Espanhol
FORMATO DE TELA: Widescreen Anamórfico 1.85:1
Comédia – 1h49 – Cor – Universal
Direção: Anthony & Joe Russo
Com Owen Wilson, Kate Hudson, Matt Dillon, Michael Douglas

Leave a comment